Porto Alegre, 29 de junho de 2017
Operação Túnel Santo do Denarc recebe homenagem em Grande Expediente de Maurício Dziedricki
Escrito por Francis Maia/ALRS   

 

Maurício Bertani/ALRS

O trabalho de inteligência do Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico, Denarc, órgão vinculado à Polícia Civil, foi homenageado nesta terça-feira (11) no período do Grande Expediente pelo deputado Maurício Dziedricki (PTB). A operação Túnel Santo flagrou em fevereiro a tentativa de fuga de mais de mil detentos do Presídio Central de Porto Alegre, de onde pretendiam sair através de túnel construído no subsolo da penitenciária.

 

Da tribuna, Maurício Dziedricki destacou “a seleção de homens de sucesso que desbarataram uma das mais perigosas articulações criminosas, que poderia resultar na fuga de mais de mil detentos”, referindo-se aos delegados, comissários, agentes e servidores do Denarc que através de “um trabalho de articulação, planejamento, coordenação, investigação e dedicação logrou a descoberta de quadrilha de criminosos executando um audacioso plano de fuga através do túnel”. A ação recebeu apoio também da Brigada Militar, do Ministério Público e Judiciário, registrou.

 

A ousada escavação, que envolveu técnicas de engenharia, alcançou 50 metros de comprimento e quatro metros abaixo do nível do solo, envolvendo nove pessoas em trabalho cotidiano. Os 1.047 presos pertenciam à galeria B do Presídio Central, e mais de R$ 1 milhão foi investido na construção do plano de fuga, revelou o deputado. Os criminosos estavam a 30 metros da liberdade quando foram descobertos pela operação Túnel Santo.

 

“A fuga traria para as ruas uma onda de violência”, disse ele, uma vez que muitos dos presos estariam livres sem o pagamento do custo da fuga, estimada em R$ 5 mil. Mais que isso, afirmou, o trabalho do Denarc impediu o avanço ainda maior da violência no Rio Grande do Sul.

 

Dziedricki elogiou o delegado Rafael Pereira e seus agentes, responsáveis pela operação, destacando também o perfil do departamento, que atua na coordenação, investigação na polícia judiciária, delitos de tráfico e uso de entorpecente. Foi criado pelo Decreto 37/301 e compreende a divisão de informações criminais, delegacias metropolitanas, delegacias especializadas por região, de narcotráfico, da capital, da Região Metropolitana, e do interior. São 96 agentes que atuam com especialização no combate ao crime organizado, em especial o tráfico de drogas.

 

Repressão ao tráfico de drogas

O trabalho de repressão ao tráfico de drogas realizado pelo Denarc repercute na sociedade, através de ações no entorno das escolas, na operação denominada Anjos da Lei, nas operações noturnas em festas e locais de recreação ou na Operação Expresso, que é realizada no entorno das rodoviárias. Em 2016, o departamento registrou 798 presos, a apreensão de 238 armas e 12.564 mil comprimidos de extasi, 9,6 toneladas de maconha e 317 quilos de cocaína. Foram R$ 6 milhões entre drogas e armas.

 

“De 40% a 70% dos crimes de homicídio no Rio Grande do Sul estão relacionados direta ou indiretamente com o tráfico de drogas”, comentou o parlamentar, abordando o impacto dos entorpecentes e da violência nas famílias gaúchas. “É um assunto a ser debatido, tanto pela vulnerabilidade das fronteiras do Estado, por onde entra a droga, quanto pela insegurança da sociedade”, afirmou. Mostrou que 23% das prisões efetuadas pelo Denarc são de pessoas com formação superior ou nível médio. Destacou, ainda, o avanço das drogas sintéticas, mais de 300 variedades que podem ser compradas através do computador e recebidas pelo correio.

 

Ele referiu, ainda, a necessidade de assegurar aos servidores recursos salariais e infraestrutura para o desempenho de suas funções. E disse que lugar de preso não é amarrado em lixeiras ou ônibus, mas dentro dos presídios, com mais vagas ou mesmo em contêineres, “o que não pode é preso dentro de delegacia, tirando um policial de sua atividade fim para ser carcereiro”.

 

A homenagem registrou também o Dia Nacional do Policial Civil e do Policial Militar, comemorado em 21 de abril, como forma de refletir na Assembleia Legislativa o trabalho de homens e mulheres que atuam na corporação, criada há 22 anos. Pela bravura e coragem, os policiais receberam a medalha da 54ª Legislatura.

 

Apartes

A homenagem ao Denarc recebeu intervenções dos deputados Enio Bacci (PDT), Any Ortiz (PPS), Zé Nunes (PT), Lucas Redecker (PSDB), Sérgio Turra (PP), Catarina Paladini (PSB), Missionário Volnei (PR), Tiago Simon (PMDB), e Aloísio Classmann (PTB).